sexta-feira, 12 de novembro de 2010

Satyaprem - Acordar é a revelação de que não tem você

Quando se dá conta de que o “ver” é impessoal,
você começa a perceber que o que acontece com o corpo,
na vida, no dia-a-dia,
é realmente uma expressão daquilo que você é.

A partir daí, se torna muito mais importante esse “ver”,
do que, necessariamente qualquer “fazer”.
O que quer que seja que você faça,
é decorrência de uma série de circunstâncias,
e nunca sabemos, de ante-mão, o que são.

No entanto “ver” é absoluto.
Diante do absoluto, procuramos a entidade "eu"
que pensamos ser e não encontramos nada.
No lugar da entidade há algo totalmente pacífico,
silencioso e impessoal - e Isso é você.

Acordar é ver.
Praticamente nada precisa acontecer.
Porque acordar não é algo que acontece para alguém.
Acordar é a revelação de que não tem ninguém.
Logo, não acontece para alguém. Acontece para ninguém.
E, na verdade, não acontece. Não é um acontecimento.

Normalmente as pessoas, e talvez você também,
procuram por um acontecimento.
É habitual.
Nós estamos completamente acostumados a acontecimentos,
o tempo todo precisamos de registros.
Registramos o nosso nascimento, a Primeira Comunhão,
a entrada na escola, a saída da escola, o noivado,
o casamento, a separação... tudo precisa ser registrado.
Porque se não houver registro, fica óbvio que a entidade falsa não existe.
Inclusive, ela só existe porque tem registro,
porque tem uma história para contar.

Já o que eu quero chamar a sua atenção para,
é algo que não precisa de registro para ser,
e tão pouco se importa com os registros.
Na verdade, as coisas acontecem nisso que você é.
Elas não acontecem para justificar o que você é.
As coisas acontecem e desacontecem nisso,
e isso não acontece.
Isso não desacontece, tampouco.

Do que estamos falando?
Não é do seu corpo, porque o seu corpo está acontecendo nisso.
Não é da sua mente, porque a sua mente está acontecendo nisso.
Não é a respeito dos seus sentimentos e sensações,
porque ambos estão acontecendo nisso.
Tudo, absolutamente tudo o que acontece, acontece nisso.
E isso não acontece em lugar nenhum.
Você é um não-acontecimento.

2 comentários:

Edson Carmo disse...

Pensamento é distração, imaginação. Observação é pura atenção, é o caminha para a compreensão.

Pensamentos nos desviam da verdade, mas a observação nos remete a realidade. Se alguma coisa está diante de nós e começamos a pensar, a julgar, a interpretar..., então o que teremos é um encontro com nossa imaginação, não coma a exatidão. Ao encontrar com um ente, fique só a observar, não se ponha a pensar. Se no seu olhar tiver 40% de pensamento, então você verá apenas 60% da realidade. Enquanto menor o pensamento, a imaginação, maior o nível de percepção.

Veja, o espelho não pensa, não julga; ele não faz nenhum comentário sobre aquele que está diante dele. Ele não diz que é feio, nem que é bonito. O espelho reflete apenas aquilo que é. Seja como um espelho olhe para a vida sem pensamentos, permita apenas a observação, você terá a revelação daquilo que é.

Edson Carmo

Sw Anand Avikal disse...

Todas minhas postagens destacam isto e muito mais.
Como diz Jesus : "Olhos para ver, ouvidos para ouvir".
Se você tem isto, vai conseguir ver além.
Grato pela seu comentário.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...